segunda-feira, 24 de maio de 2010

Cachoeiras e cascatas, de colorido sutil

Lucas Franco
Há pelo menos umas duas semanas, tem rolado pela Internet um inusitado projeto para as olimpíadas de 2016: a “Solar City Tower”, uma cachoeira artificial gigante em cima de uma pequena ilha no Leme.
Sob o pretexto da geração de recursos energéticos limpos, e o mote dos JJOO de 2016, um grupo de arquitetos suíços aproveita para deixar o seu marco na paisagem carioca, com talento e delicadeza capazes de encher os olhos do mais nobre sheik árabe.
Pelos mesmos motivos, e graças a Deus, é evidente que se trata de uma provocação, um projeto “conceitual”, e que não existe a menor chance de acontecer.
Entretanto, é muito provável que nos próximos anos, outras novas propostas conceituais apareçam, porém, com maiores ambições construtivas.

Veja aqui e aqui a proposta da “Solar City Tower”.

Eu por exemplo, também tenho algumas propostas para a nossa cidade, mas talvez por conhecer melhor a cidade do que os meus colegas suíços, e também por possuir maiores ambições quanto as suas realizações, prefiro propor a manutenção emergencial de obras já construídas.

Primeiro, se o barato é a queda d’agua, por que não recuperarmos os belos chafarizes da cidade, hoje secos, sujos e abandonados, como denunciou recentemente o jornal O Globo?

Veja a matéria do Globo: Por que secou?

Mas se a idéia for a de criar um marco na paisagem, eu tenho uma imbatível: a estátua do Cristo Redentor. Sim, aquela que está lá há uns oitenta anos, mas noutro dia amanheceu toda pichada por delinquentes noturnos. E o acesso? Desde as chuvas de abril que o trenzinho está interditado, e ainda não temos previsão de retorno.

E por último, se é para gastar dinheiro e ser ecologicamente correto, sugiro que antes de empenharmos qualquer centavo com uma pretensiosa cachoeira artificial de tecnologia suíça, deveríamos investir e trabalhar pela despoluição da Baía de Guanabara, ou ainda, tentar ao menos oferecer segurança para a população frequentar as inúmeras cachoeiras naturais que a nossa cidade possui.

Enfim, com a luz amarela acesa, fiquei pensando na seguinte questão: para 2016, será que vamos conseguir arrumar a nossa cidade ou apenas assistiremos a uma série de novas “cascatas”?

7 comentários:

  1. muito bem colocado... minhas esperenças são grandes... não deixo de acreditar !

    ResponderExcluir
  2. Realmente tem toda razão. Esta cidade somente precisa do básico funcionando bem para ser maravilhosa. Não tem que ficar inventando ou especulando panacéias. O que vamos fazer com a cidade da musica afinal? põe uma cachoeira lá.

    ResponderExcluir
  3. Lucas!
    Gostei muito do seu artigo. Acho que ele levanta uma questao bastante interessante na discussao sobre o futuro da arquitetura e do urbanismo do Rio e de outras cidades em geral.
    Pelo que eu entendi, voce classifica projetos de arquitetura/urbanismo como conceituais ou realistas. E que o projeto do predio/cachoeira do Leme se enquadra no primeiro grupo. Porem, nao acredito que esta classifcacao deva ser ou/ou. Acho que a combinacao das duas seria bem mais interessante. A meu ver, projetos conceituais (os bons) lidam com problemas concretos e muito embora proponham solucoes pouco realistas, cabe a nos arquitetos/urbanistas interpreta-las corretamente. Quero deixar claro que nao sou a favor do projeto suico, porem, ate que ponto voce acha que a questao em relacao a era "post oil" ja esta incorporada na agenda da cidade, e principalmente nos projetos atualmente concebidos para o Rio? E ate quando iremos discutir sobre a despoluicao da Baia da Guanabara, e outros problemas semelhantes que nao cabem a nos, arquitetos, resolvermos?
    Abracos,
    Isabela Ledo
    (ps: desculpe-me pela falta de acentos)

    ResponderExcluir
  4. Luiz Fernando Janot25 de maio de 2010 16:56

    Caro Lucas,
    Sempre oportuno abrir à discussão projetos de arquitetura ou de urbanismo lançados na mídia, mesmo sendo eles "conceituais" como vc se referiu. Como vc, eu me preocupo com os efeitos - para o bem e para o mal - dessa "haute architecture" deslumbrada por natureza. E, como mencionado em um dos comentários acima, preocupo-me também com essa arquitetura "post oil" que, na verdade, vem sendo utilizada como paradígma do "politicamente correto" pelo inescrupuloso mercado financeiro internacional que afere lucros incalculáveis com a implementação de "prédios inteligentes (?)" onde, muitas vezes, não há a menor necessidade de serem construídos. Veja Dubai e essa mísera ilha em Copacabana !!!!
    Abs
    LF Janot

    ResponderExcluir
  5. Lucas,
    Parabéns pela iniciativa de expor suas opiniões em praça pública!
    Apesar de concordar com você sobre a extrema necessidade de obras mais importantes para o nosso dia a dia de carioca, tenho minhas dúvidas sobre a propriedade do seu temor em relação a "outras novas propostas conceituais apareçam, porém, com maiores ambições construtivas" que me soa um tanto bairrista e destoa do que acredito ser importante no papel desempanhado pelo arquiteto hoje diante dos desafios de uma metrópole contemporânea internacional como o Rio. Faço-lhe a velha ressalva do 'nem oito, nem oitenta'!
    Forte abraço,
    Guilherme Lassance.

    ResponderExcluir
  6. Grande Lucas,

    Vejo que cheguei atrasado pra nossa discussão, mas você já sabia que sou pró-cascata. E não só pelo fato de ser jornalista...

    Não sou necessariamente a favor desta cascata específica, mas da possibilidade de se construir coisas assim sem que pareça à sociedade uma heresia. Sou a favor de monumentos, mesmo na cidade mais linda do mundo. E pode haver vários - nossa própria geografia prova isso, com suas múltiplas paisagens deslumbrantes.

    Mas também os monumentos construídos funcionam: Brasília é cidade-monumento, e aí está sua graça; Bilbao só entrou no mapa-múndi depois que fez o Guggenhein; Niterói ganhou um cartão postal diferente da vista pro Rio quando o museu-nave espacial aterrissou.

    Sou a favor até do Obelisco do Casé, pra você ter uma idéia! E tenho certeza de que se a estátua do Cristo não tivesse sido construída em 1931, em 2010 com certeza não seria. A opinião pública vetaria.

    E, pela lógica das prioridades, o bondinho do Pão de Açúcar só poderia existir depois que todas as favelas acima da cota 100 fossem equipadas com teleféricos.

    Bem antes do cascatol suíço, tive a idéia de fazer um farol de 300 metros de altura perto das Cagarras (já que lá não pode), inventando um novo ponto de vista para (e sobre) a cidade. Na verdade seria um grande aquário panorâmico com restaurante/boate/hotel lá em cima, servido por uma linha de barcos. Claro que inventei isso só pra apavorar os amigos - principalmente os arquitetos. Mas se tiver interesse em saber mais detalhes sobre este projeto, me liga!

    Um abraço deste faroleiro,

    ResponderExcluir
  7. Meus caros, não pretendia iniciar uma cruzada contra os projetos conceituais, nem colocá-los em cheque, em um confronto derradeiro com os projetos "realistas". Os projetos conceituais / experimentais são fundamentais para o desenvolvimento não só da arquitetura como das mais diversas disciplinas artísticas, da ciência e da tecnologia.

    O meu alerta, e aí aproveito para fazer uma analogia com a Moda, outra que através dos desfiles também bebe na fonte das propostas conceituais, seria para não corrermos o risco de organizar um belo desfile, antenado com as mais novas tendências internacionais e irmos todos assistir desnudos, pois nos esquecemos das mais simples vestimentas cotidianas.

    Muitos abraços e um sincero obrigado por terem dado continuidade a discussão,
    Lucas.

    ResponderExcluir